Arquivos

Categorias
Todas as mensagens
 Link
 Evento

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




As Profissões do Futuro
 


Edição Especial da VEJA - Mulher - http://veja.abril.com.br/especiais/mulher_2007/p_034.html

Profissões de futuro

"Publicitários sem fronteira", experts em energia
alternativa e financistas do esporte – as carreiras
que prometem decolar, segundo especialistas


NAIARA MAGALHÃES

Engenheiros agrônomos, especialistas em marketing, nutricionistas e fisioterapeutas, atenção: o mundo precisará cada vez mais de vocês. Segundo estudiosos, as carreiras mais promissoras, de agora em diante, serão aquelas que:

• estiverem ligadas a questões que preocupam o mundo todo, como os problemas ambientais, a necessidade de gerar recursos energéticos alternativos e a evolução tecnológica;

• permitirem às pessoas conectar-se com o restante do planeta, como as atividades relacionadas à comunicação e à tecnologia da comunicação;

• tiverem como foco o bem-estar individual e o cuidado das pessoas consigo mesmas, como os trabalhos ligados ao lazer e à saúde.

Aqui, o futuro das profissões, divididas por áreas e analisadas à luz dos rumos do mundo.


COMUNICAÇÃO

Ilustrações Felix Reiners


O mundo é o limite: para publicitários, produtores de audiovisuais e profissionais do marketing, o campo de trabalho, muito em breve, não terá mais fronteiras. Antes do surgimento da internet de banda larga, uma agência de publicidade, por exemplo, só fazia serviços para clientes "de casa" – o que significa do mesmo país. Hoje, com a possibilidade de enviar arquivos de vídeo digital pela web e tê-los de volta tão rápido quanto foram, não há por que uma agência brasileira não prestar serviços para uma empresa sediada no Canadá, por exemplo. No Brasil, a exportação de serviços de publicidade já representa de 15% a 30% do faturamento das agências e produtoras. A rede de agências inglesa BBH, por exemplo, atende clientes em mais de cinqüenta países com apenas seis escritórios, incluindo um em São Paulo, que atinge toda a América Latina. De seus profissionais, exige-se não só que tenham excelentes conhecimentos da língua espanhola (para saber que uma locução com sotaque argentino não será bem recebida no Chile ou na Venezuela, por exemplo), mas que dominem a fundo as culturas locais (para saber, digamos, quem é o Zeca Pagodinho dos hermanos).



MEIO AMBIENTE

Aquecimento global, escassez de água e dificuldades geradas pelo crescimento populacional são temas que vieram para ficar. Nesse contexto, ganham importância crescente as profissões ligadas ao cuidado com o meio ambiente. Entre as que terão mercado garantido está, por exemplo, a do gestor ambiental. Chefiando equipes formadas por geólogos, oceanógrafos, engenheiros e outros especialistas, esse profissional é responsável, entre outras coisas, por avaliar impactos ambientais e criar soluções para reduzi-los. Os nada auspiciosos relatórios da ONU sobre a situação do planeta, divulgados recentemente, não deixam dúvida de que esse profissional terá muito trabalho pela frente. Seus empregadores podem ser órgãos públicos, ONGs ou empresas privadas. "Ao criar procedimentos que resultem em uma interferência menor no meio ambiente, o gestor ambiental reduz inclusive os custos que a empresa teria para reparar o dano", explica o gerente de meio ambiente e segurança florestal da Aracruz, Luciano Lisbão. Instituições como a Universidade de São Paulo e a Universidade Federal do Paraná já têm curso de graduação em gestão ambiental. No que se refere à escassez de recursos vitais, como a água apropriada para consumo, terão lugar garantido no ranking dos profissionais mais solicitados os engenheiros sanitaristas. Eles serão necessários para ajudar, por exemplo, na despoluição de rios e na dessalinização da água dos oceanos – como já ocorre em grande escala nas Bahamas e em países árabes. "No futuro, outras nações terão de recorrer a processos como a dessalinização da água dos mares", afirma Haroldo Lemos, presidente do Comitê Brasileiro do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Já a questão do aumento populacional colocará em alta engenheiros agrônomos, especialistas em genética e outros profissionais que possam contribuir para otimizar a produção de alimentos no mundo.



SAÚDE

No Brasil, o número de habitantes com mais de 60 anos superará o da população com menos de 5 anos pela primeira vez em 2013 – nada diferente do que ocorre no mundo. Até 2050, o número de idosos no planeta passará dos atuais 673 milhões para 2 bilhões. Ou seja, praticamente triplicará. Profissionais especializados no cuidado de idosos, portanto, terão campo de trabalho assegurado: além de médicos geriatras, serão valorizados profissionais como fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, nutricionistas, psicólogos e preparadores físicos especializados no atendimento à terceira idade: os gerontólogos.



TECNOLOGIA

Nessa área, vale a pena pensar pequeno. Os especialistas em nanotecnologia – ramo da engenharia que trabalha com partículas de tamanho 1 bilhão de vezes menor do que o metro – terão campo de trabalho cada vez mais amplo. Em 2005, as vendas de produtos com aplicações da nanotecnologia somaram 30 bilhões de dólares. A estimativa é que, em 2014, esse valor salte para 2,6 trilhões de dólares, o que representa 15% das vendas mundiais, de acordo com a empresa de pesquisas Lux Research. A nanotecnologia tem infinitas aplicações: pode ser útil tanto para ajudar no combate ao câncer (uma nanocápsula injetada na corrente sanguínea é capaz de destruir apenas as células cancerígenas – ao contrário do que ocorre nos tratamentos de quimioterapia, que atingem células saudáveis) como para produzir carros mais resistentes a arranhões (com a introdução de nanopartículas misturadas à fórmula das tintas para pintura de veículos, por exemplo). E esse é só o começo.



ENERGIA

As previsões mais otimistas apontam para o fato de que as reservas de petróleo vão se esgotar em cerca de quarenta anos. O Brasil, desde 2004, vem investindo fortemente no desenvolvimento do biodiesel, óleo feito a partir de vegetais diversos, como a soja e o babaçu, e concebido para substituir o diesel. A União Européia espera chegar a 2030 com 25% do sistema de transporte funcionando com combustíveis não fósseis. Diante dessas perspectivas, todos os profissionais envolvidos com a pesquisa e a produção de combustíveis alternativos estarão em alta. Cabem aí engenheiros agrônomos, químicos e mecânicos, além de físicos, biólogos e bioquímicos.



LAZER

A busca crescente pela qualidade de vida e pelo bem-estar valorizará ainda mais as profissões ligadas ao lazer, como o turismo. "Ele não teve ainda todo o seu potencial explorado e continuará em ascensão", afirma a professora de gestão empresarial da Fundação Dom Cabral, Betania Tanure. A área, que já representa 10% do PIB mundial, cresceu 4,5% em todo o mundo no ano passado, superando as previsões da Organização Mundial do Turismo. Dentro desse segmento, o futuro dos profissionais formados em hotelaria parece especialmente ensolarado. Da administração de hotéis à prestação de consultoria a empresas ligadas a gastronomia e viagens, por exemplo, o profissional de hotelaria tem um vasto campo de atuação pela frente. Outra carreira em ascensão relacionada à indústria do lazer é a de especialista em marketing esportivo – que, em outras palavras, é aquele que ajudará a viabilizar economicamente um clube de futebol, um atleta ou uma equipe de automobilismo, ou mesmo aumentar o seu faturamento. No exterior, clubes como o Real Madrid chegam a faturar 150 milhões de euros por ano só com a comercialização da marca e com a venda de produtos licenciados. Nessa área, o esporte brasileiro ainda engatinha.


Escrito por Gilson Schwartz às 07h58
[] [envie esta mensagem
] []





Cidade das Profissões

http://cdp.portodigital.pt/

Classificação:

Bastante interessante!



Categoria: Link
Escrito por Gilson Schwartz às 07h57
[] [envie esta mensagem
] []





As profissões do futuro

Um estudo recém-concluído pelo Instituto de Trabalho dos Estados Unidos realizou projeções
para descobrir quais serão as carreiras mais promissoras dos próximos dez anos. Sete entre
20 listadas exigem experiência em computação. O envelhecimento da população e a busca
por novos tratamentos prometem também uma forte demanda por profissionais da saúde.
A campeã da lista foi a engenharia ambiental.

As carreiras mais promissoras para os próximos
dez anos

Carreira----------------------perspectiva de aumento

1o Engenharia Ambiental --------------------- 54%
2o Analista de sistemas e informação----------42%
3o Conselheiro de finanças pessoais-----------36%
4o Administradores de banco de dados----------33%
5o Engenheiro de software---------------------28%
6o Engenheiro biomédico-----------------------28%
7o RELAÇÕES PÚBLICAS--------------------------25%
8o Administradores de infossistema------------26%

Fonte: Revista Exame No. 840 13/04/05 pág. 75

Escrito por Gilson Schwartz às 07h54
[] [envie esta mensagem
] []





Escolhas - Espaço Aberto - USP

Essa reportagem foi publicada pela revista eletrônica Espaço Aberto, da USP, em maio de 2007. O link para o site é http://www.usp.br/espacoaberto/0capa.htm


Todos os anos, em 1º de maio, comemora-se o Dia Mundial do Trabalho. A celebração foi criada em 1889, por um Congresso Socialista realizado em Paris, em homenagem à greve geral de 1º de maio de 1886, ocorrida em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época. Na ocasião, operários morreram lutando por condições de trabalho mais dignas e humanas.

Hoje, no entanto, a batalha começa mais cedo: diante de um mercado extremamente saturado, trabalhadores brigam entre si para conseguir um emprego. Essa realidade é ainda mais marcante entre os jovens. Segundo dados do Ministério do Trabalho e do Emprego, os jovens desempregados somam cerca de 3,5 milhões, ou 45% do total de 7,7 milhões de desempregados em todo o País. Diante disso, está cada vez mais difícil para a juventude saber como construir uma carreira profissional estável e bem-sucedida. Mais do que isso, aliar sucesso profissional à realização pessoal parece uma tarefa quase impossível.

Segundo José Paulo Zeetano Chahad, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA/USP) especializado em Economia do Trabalho, o desemprego dos jovens é uma realidade no mundo todo. “O fato de incidir muito sobre o jovem não é uma prerrogativa brasileira nem paulista, é universal. O jovem tem como características a inexperiência e a baixa qualificação, e isso determina o desemprego. Discrimina-se o não-qualificado. Como o jovem é não-qualificado ele é discriminado”, argumenta.

No caso brasileiro, há um agravante: embora o crescimento demográfico esteja diminuindo atualmente, ele foi muito grande até algumas décadas atrás, gerando a chamada “onda jovem”. Chahad explica que, em função das altas taxas de natalidade do nosso passado recente, hoje muita gente está afluindo para o mercado de trabalho, que fica sobrecarregado. Some-se a isso a baixa escolaridade da maioria dos brasileiros e o resultado são as altas taxas de desemprego atuais.

Para o economista e sociólogo Gilson Schwartz, o investimento em educação é fundamental, mas deve ser feito de maneira racional, levando em consideração as demandas da economia do século 21. Professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes (ECA/USP), Schwartz dirige um projeto que atua nesse sentido, a Cidade do Conhecimento, procurando promover uma interação entre economia de mercado, espaço público, comunidades locais, tecnologias digitais e gestão estratégica do conhecimento.

Segundo Schwartz, a sociedade contemporânea passa por uma mudança global de padrões. Isso cria a necessidade de um novo perfil de competências, qualificações e modos de aprendizado, ao qual o sistema educacional convencional está completamente inadequado. Por isso, ele criou uma disciplina denominada Iconomia, que é uma combinação de engenharia, economia, administração, contabilidade, matemática, estatística, computação, comunicações e artes. “É a combinação do conhecimento dessas várias áreas que dá a qualificação que hoje é necessária. No entanto, na estrutura da própria universidade, essas áreas estão completamente separadas”, lamenta.

Para o professor da ECA, a internet é uma ferramenta útil para superar essa defasagem provocada por um sistema educacional anacrônico. “Com a internet, a busca do conhecimento se abre. No entanto, o risco de você cair numa confusão e apenas consumir porcaria é tão presente quanto em qualquer feira popular do interior do nordeste. Tem que saber o que você vai comprar, de quem você vai comprar, como você vai interagir.”

De maneira geral, as pessoas associam discriminação a piadinhas sobre raça e gênero, às humilhações e aos gritos de chefes. Em uma das entrevistas com funcionários, a servidora Inaiê Wenzel, do Sibi (Sistema Integrado de Bibliotecas) mencionou uma idéia mais abrangente: “Discriminação é você ser colocado de lado por ter uma forma diferente de pensar”.

Conforme define a Convenção 111 promulgada em 1958 pela OIT (Organização Internacional do Trabalho), discriminação é “toda distinção, exclusão ou preferência fundada na raça, cor, sexo, religião, opinião política, ascendência nacional ou origem social que tenha por feito destruir ou alterar a igualdade de oportunidades ou de tratamento em matéria de emprego e profissão”.



Serviço

As Profissões do Futuro
Gilson Schwartz
Editora Publifolha
112 páginas
R$ 17,90

Escrito por Gilson Schwartz às 07h47
[] [envie esta mensagem
] []





Deu na Folha (2004)

Conheça cinco ramos de trabalho com boas perspectivas pela frente

Tecnologia, educação, bem-estar, diversão e agronegócios estarão em alta até o fim da década

RENATO ESSENFELDER
Editor-assistente de Suplementos
RENATA DE GÁSPARI VALDEJÃO E
ANDRESSA ROVANI
Free-lance para a Folha

Segundo 24 especialistas ouvidos pela Folha, essas são áreas muito promissoras.

Agronegócio

Com uma produção de grãos que gerou 33% de seu PIB em 2003, é natural que a Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) preveja que o Brasil se tornará o maior produtor mundial de alimentos em dez anos.

A pujança favorecerá quem trabalha na área. "Profissões ligadas ao novo ciclo de desenvolvimento rural, da agricultura familiar à pesquisa de ponta, estarão em alta. O Brasil está predestinado a expandir o leque de produtos delas derivados", diz Ignacy Sachs, da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (Paris).

Educação

Catastrófico para muitos, o crescente desmoronamento das relações estáveis de trabalho deve beneficiar a educação. É que, graças ao acirramento da competitividade entre profissionais, "as pessoas estão buscando, cada vez mais, aperfeiçoamento", avalia Renata Perroni, consultora da Manager. Além disso, o setor tem "um dos maiores déficits de mão-de-obra do país", analisa o sociólogo e especialista em relações do trabalho José Pastore.

Tecnologia da informação

"A segurança da informação não é só uma carreira de futuro, mas uma necessidade para as empresas de futuro", prevê Evandro Oliveira, diretor de auditoria do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação.

Como a área de tecnologia ainda não é regulamentada, acolhe um grande contingente de profissionais de diversos campos. Mas os nichos superespecializados --como segurança de dados-- são os mais promissores.

Turismo e entretenimento

Cada vez mais, o lazer será um bom negócio. "Esse setor deve manter a tendência de alta graças ao crescimento da população e ao [crescente] tempo livre", pondera Sebastião Caixeta, presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho.

Qualidade de vida

Já o bem-estar, em alta contínua, revela --e gratifica-- profissionais inusitados, como naturólogos e psicólogos especialistas em estresse. "As pessoas querem se sentir bem, e isso se tornou um bem de consumo", diz Alberto Ogata, do Instituto Brasileiro de Qualidade de Vida.

Viver melhor é também sentir-se mais bonito. A estética, que motivou a abertura de inúmeras clínicas especializadas nos últimos anos, é bom negócio, em especial para dermatologistas. Aplicações de botox, peeling e outros tratamentos médicos com função estética prometem bons salários para profissionais em constante atualização.

Escrito por Gilson Schwartz às 07h43
[] [envie esta mensagem
] []





Iconomia

http://www.iconomia.globolog.com.br/

Classificação:

Esse é o meu blog na revista "Época Negócios". Iconomia é também o nome da nova disciplina que criei na USP, oferecida para alunos da POLI, FEA, IME e ECA.



Categoria: Link
Escrito por Gilson Schwartz às 07h36
[] [envie esta mensagem
] []





Cidade do Conhecimento

http://www.cidade.usp.br

Classificação:

A Cidade do Conhecimento cria, planeja e desenvolve Projetos de Emancipação Digital, estabelecendo Redes Digitais Colaborativas, que conectam a Universidade de São Paulo, Centros de Pesquisa Internacionais e Pólos Regionais.



Categoria: Link
Escrito por Gilson Schwartz às 07h34
[] [envie esta mensagem
] []





Palestra no Vera Cruz

http://

Data: 02/06/2007

Hoje o blog do livro "As Profissões do Futuro" entra no ar, a partir de uma palestra para alunos e pais do Vera Cruz. O livro já está na segunda edição , mas as mudanças no mercado de trabalho continuam. O diálogo com professores, familiares, alunos e profissionais será a tônica deste blog!



Categoria: Evento
Escrito por Gilson Schwartz às 07h30
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]